Associação Selectiva Moda vania@selectivamoda.com
Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies. Saiba Mais

QUASE TRÊS DEZENAS DE EMPRESAS DA ITV PORTUGUESA PARTICIPAM NA MÉDICA

António Manuel de Sousa, Beppi, Inarbel, Line for You, Pt Mills Lds, Pharmia, Trinm NW, VSG, são as empresas que compõe a comitiva FROM PORTUGAL, às quais se juntam ainda as portuguesas HydruStent, Adalberto, Oasipor e Raclac a marcar presença em mais uma edição da feira MÉDICA, nos dias 15 e 18 de novembro em Dusseldorf, na Alemanha. Para além das empresas presentes com stand próprio estão ainda as empresas integrantes do Medical Textiles Showcase From Portugal organizado em parceria com o CITEVE: A. Sampaio; CeNTI; Coltec; Foot by Foot; Lipaco; Oldtrading; Pafil; Ribeiro & Matos; Riopele; Somani; Têxteis António Falcão; Têxteis Penedo; Tintex; Trotinete e Unifardas.

A participar pela primeira vez no evento alemão como expositor, embora tenham sido visitantes assíduos das edições anteriores, a Wellgiven avança nesta edição por ter “produtos inovadores e ecologicamente sustentáveis, com matéria-prima reciclável, economicamente revolucionários por eliminarem a agressão ambiental e custo dos lixos hospitalares”, revela António Ferreira.

Entre as novidades a apresentar na estreia da empresa lusa está uma bata hospitalar reutilizável proveniente de matéria-prima reciclada e certificada para 75 lavagens. “Esta bata tem incorporada uma  etiqueta RFID permitindo a rastreabilidade do produto, uma gestão eficiente e controlada dos stocks e ainda um controlo dos seus utilizadores. No fim do seu ciclo de vida, é reintegrada num novo processo produtivo dando origem a nova matéria-prima”, pormenoriza António Ferreira.

Depois de uma experiência virtual, tendo participado na última edição online da Médica, a Pharmia diz agora “sim” à participação física na feira. “Apesar da edição anterior ter sido virtual, o feedback foi muito positivo no que diz respeito a interesse de clientes nos nossos produtos e também na identificação de possibilidades de cooperação com outros expositores”, conta Pedro Santos, CEO da empresa fabricante de dispositivos médicos e de proteção individual. “Vamos apresentar as novas gamas que comercializamos de luvas de nitrilo, compressas e gases, algodão e cotonetes, líquidos e toalhitas desinfetantes, além da gama de máscaras cirúrgicas e respiradores FFP2”, acrescenta ainda o CEO da Pharmia.

Percurso idêntico tem também a Line For You que depois de uma primeira participação na Médica Virtual de 2020 tem agora boas perspectiva para a edição física deste ano. “Esperamos conhecer players no mercado europeu que conhecem a área e nos consigam ajudar a exportar os nossos produtos”, diz Pedro Morgado co-fundador da empresa que levará à Médica fardamento para profissionais de saúde, para além das máscaras cirúrgicas Tipo IIR.

Feedback altamente positivo de edições anteriores tem a Oasipor que participa na Médica desde 2016. Para esta edição em particular José Mauro, do departamento de design e comunicação, espera “menor afluência, mas, em compensação, contamos com um maior interesse e disponibilidade da parte dos visitantes e expositores”. Com algumas reuniões já agendadas, a Oasipor leva a Dusseldorf algumas novidades como umas luvas (em nitrilo, sem pó) e packs cirúrgicos personalizáveis (s-Pod).

Com experiência de edições anteriores a Raclac considera que esta edição da Médica será um “sucesso”. Quem assim o descreve é Tânia Cunha, do departamento marketing & communication, que explica que “tanto pela experiência que tivemos na última edição presencial que foi realizada em 2019, como pela qualidade e diferenciação dos nossos produtos. Também o facto de ser a primeira grande feira deste sector a realizar-se presencialmente na Europa após as restrições da pandemia (...) os sinais que temos recebido são encorajadores”, defende. É precisamente por isso que a empresa espera fazer novos negócios com mercados tão díspares como a Europa, Estados Unidos da América e  Japão onde, de resto, o departamento comercial já tem trabalhado arduamente.

A dar os primeiros passos na feira alemã dedicada a artigos médicos e hospitalares está a Beppi. “A nossa participação na médica, prende-se com o facto de durantes os tempos de pandemia termos aperfeiçoado um modelo de clogs hospitalares e queremos apresentar esse produto aos profissionais do sector”, explica Hugo Silva, diretor comercial da empresa especializada em calçado. Aberta a clientes de “qualquer país e qualquer continente” a Beppi diz-se também “consciente de que nesta retoma à normalidade ainda temos de enfrentar alguns meses de incertezas, mas queremos acreditar que bons resultados vão aparecer no segundo semestre de 2022”, remata o diretor comercial.

Quem também se estreia na MÉDICA é a António Manuel de Sousa que, em 2020, criou um novo produto: a Hat Doc. “Foi em plena pandemia que criamos esta nova marca de toucas médicas feitas a partir da reutilização de tecidos em stock”, explica Ana Sousa. Por ser a primeira participação a empresa admite que não tem, para já, muitas reuniões agendadas e mostra-se interessada em criar contactos com clientes de vários mercados.

A participar pela primeira vez na Médica está também a Inarbel que levará a Dusseldorf uma nova linha de produtos no sector da saúde, como uma linha de vestuário hospitalar e descartável. “Vamos apresentar a nossa linha de vestuário hospitalar, reutilizável e descartável: batas, cogulas, manguitos, cobre botas, toucas e uniformes”, revela Manuela Sena.

A participação das empresas portuguesas PME na Médica é uma iniciativa da Selectiva Moda e da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, que visa promover a internacionalização das PME’S portuguesas da área têxtil. O projeto “From Portugal” é co-financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 - Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, tendo um montante de apoio elegível de 11.042.311,82 €, dos quais 6.065.501,91 € são provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.