Associação Selectiva Moda vania@selectivamoda.com
Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies. Saiba Mais

Moda infantil portuguesa viaja para primeira feira profissional desde Março

Será em Munique a primeira feira internacional de moda e vestuário desde o início da pandemia. Adaptada às novas regras, a Supreme Kids, entre os dias 14 e 16 de Agosto, vai antecipar a retoma, reunindo marcas de moda infantil de vários países europeus. Portugal estará representado pela Baby Gi, Meia Pata e Peter Jo Kids.

BABY GI – MEIA PATA – PETER JO KIDS

É um sinal de confiança e da avidez com que a indústria têxtil e as marcas de moda estão já a pensar na retoma. Com um grande número de eventos internacionais agendados para a rentrée, o pontapé de saída é dado já entre os próximos dias 14 e 16 de agosto, pela Supreme Kids, feira internacional dedicada à moda infantil, onde a comitiva From Portugal vai marcar presença pela primeira vez.

Baby Gi, Meia Pata e Peter Jo Kids são as marcas portuguesas que mostraram não ter receio em regressar já aos contactos presenciais e nos próximos dias vão viajar para Munique para marcar presença na feira alemã. Na bagagem levam novidades e uma grande vontade de reafirmar a moda portuguesa junto dos compradores locais, como um exemplo de design contemporâneo e de produção responsável.

“Aceitamos o desafio porque vimos uma boa oportunidade de entrar no mercado alemão e também porque nos parece que marcar presença neste momento mostra uma postura arrojada, focada na diferenciação e na promoção da marca Portugal”. É com estas palavras que Alfredo Moreira, co-fundador da marca Baby Gi explica a presença na feira alemã. Focada em vestuário para recém-nascidos dos 0 aos 6 meses, a marca tem alguns clientes pontuais no mercado alemão, mas quer enraizar a presença no mercado. “É um dos principais mercados europeus, e esta feira é uma feira regional, bastante fechada, mas com um bom desempenho”, afirma Alfredo Moreira, que vai apresentar na feira a nova colecção primavera-verão.

“Neste momento é impossível fazer previsões, ninguém sabe o que vai acontecer, mas nós acreditamos que será possível angariar novos clientes”, acrescenta Carla Areal, CEO da Meia Pata, marca portuguesa especializada em moda infantil, sobretudo em meias, mas que na feira alemã vai lançar novidades. “Aumentamos a oferta, na nossa colecção de banho sobretudo, que agora também tem para mães. Lançamo-nos no swimwear, porque as meias são um produto mais invernoso, e assim compensamos a sazonalidade. E tem corrido muito bem”, destaca a empresária.

Já no último ciclo de feiras pré-covid, a Meia Pata marcou presença em varias feiras, como a Fimi, em Valença, a INDX Kidswear, em Birmingham e a Pitti Bimbo, em Florença, onde conseguiu importantes clientes em novos mercados como a Rússia ou os Estados Unidos. O objetivo agora é entrar na Alemanha: “é mais um mercado, já estamos presentes na Itália, no Reino Unido e na Holanda, por exemplo, e agora temos o objetivo de angariar um agente para a Alemanha”, explica.

Também a Peter Jo Kids parte com o mesmo objetivo. “Espero encontrar um bom agente, já temos clientes na Alemanha e sabemos que vendemos muito bem, mas procuramos um agente para o mercado local e também para a Áustria”, explica Anna Sheludko, designer da marca, que produz vestuário sustentável para meninas dos 0 aos 12 anos. “Toda a nossa produção é feita em Portugal, em empresas com certificação GOTS e com práticas de responsabilidade ambiental. Utilizamos materiais sustentáveis e é isso que queremos apresentar aos nossos clientes”, salienta a representante da marca.

A participação das empresas portuguesas na Supreme Kids é uma iniciativa da Selectiva Moda e da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, que visa promover a internacionalização das empresas portuguesas da área da Moda. O projeto “From Portugal” é co-financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 - Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, tendo um montante de apoio elegível de 11.042.311,82 €, dos quais 6.065.501,91 € são provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.