Associação Selectiva Moda vania@selectivamoda.com
Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies. Saiba Mais

MEIA CENTENA DE EMPRESAS LUSAS ENTUSIASMADAS COM MAIS UMA EDIÇÃO DA PREMIÈRE VISION PARIS

A Sampaio & Filhos SA, A Têxtil Serzedelo, Albano Morgado, Acatel, Anbievolution, Brito Knitting, Burel Factory, Casa da Malha, Crispim Abreu, Familitex, Fitecom, Happy Probability, Joaps, Lemar, LMA, Le Europe/La Estampa, Luís Azevedo & Filhos, Lurdes Sampaio SA, Magma Têxtil, Modelmalhas, NGS Malhas, RDD, Sidónios Knitwear, Tintex, Trimalhas, Troficolor, Clariause, MAF/Filasa, Trifitrofa, Siena, Lima & Companhia, TMR Fashion Clothing são as empresas lusas da comitiva FROM PORTUGAL, às quais se juntam ainda as portuguesas Adalberto Estampados, Paulo de Oliveira, Penteadora, Riopele, Tessimax, Somelos Tecidos, TMG, JFA, Tearfil e LRT  que marcarão presença, de 8 a 10 de Fevereiro, em mais uma edição da PV PARIS.

Divididas nas categorias de fabrics, yarns, acessories, Smart creation e manufacturing são quase meia centena as empresas portuguesas que estarão presentes em mais uma edição da Première Vision em Paris Nord Villepinte de 8 a 10 de fevereiro. Contas feitas são quase quarenta empresas lusas a marcar presença nos corredores da categoria de tecidos do reputado certame internacional parisiense. Para além dos stands individuais de cada empresa, a presença portuguesa far-se-á ainda representar no habitual Fórum de Tecidos, um chamariz fundamental do FROM PORTUGAL, bem como no Fórum do iTechstyle Green Circle que destacará os produtos na área da sustentabilidade.

A participar há mais de 20 anos ininterruptamente na PV Paris, a LEMAR regressa à feira por considerar “o principal evento no género na Europa, com maior tradição e número de visitantes provenientes de todo o mundo”, explica Flávio Dias, export manager da empresa que levará a Paris um reforço da sua oferta de tecidos produzidos através de fibras certificadas sustentáveis ou recicladas. Já quanto às expectativas, e depois da edição de setembro de 2021 se ter revelado “uma óptima surpresa para a Lemar”, a empresa espera não só reencontrar clientes dos mercados tradicionais, mas também reforçar os laços com os mercados escandinavos, Europa de Leste e do Magreb.

Descrita como a “segunda casa” da Adalberto a PV Paris tem-se revelado “fundamental, especialmente para promover o contacto presencial com os nossos clientes, de que tanto sentimos falta, neste momento”, defende Joana Girão Oliveira, Marketing & Communications Director da empresa. “Queremos ser mais do que uma simples estamparia, queremos aportar verdadeiro valor aos nossos clientes e a toda a comunidade ligada ao setor da moda através de produtos inovadores e diferenciadores, que aliados ao nosso design colocam a Adalberto numa posição muito interessante dentro do setor têxtil”, avança ainda a Marketing & Communications Director da Adalberto que estará presente na PV Fabrics, mas também na área Smart Creation com muitas novidades.

Quem se estreia em absoluto na PV Paris é a Happy Probability, agência nacional fundada em 2015 com o objetivo de promover internacionalmente as coleções de parceiros estratégicos. Com o grande objetivo de “aumentar o volume de negócios”, conforme traça Filipe Monteiro, a empresa assume ter já reuniões agendadas com vista a fortalecer relações com os mercados norte-americano e australiano.

Objetivo distinto tem a Anbievolution que depois de se ter estreado em setembro de 2021 na PV Paris regressa agora ao certame com a intenção de entrar no mercado francês. “No ano passado correu muito bem mas achei que não estávamos tão bem preparados, este ano já conhecemos a feira e creio que vamos estar muito mais bem preparados”, justifica André Andrade. A apresentar uma nova coleção na área da sustentabilidade, a Anbievolution espera agora conquistar o mercado interno francês.

Quem também regressa para a 2ª edição da PV Paris é a Clariause que espera “dinamizar contactos, impulsionar vendas e procurar oportunidades de trabalhar com novos mercados de trabalho”, nomeadamente com o Espanha, França, Bélgica, Alemanha, Marrocos e EUA. Quem assim o diz é Lurdes Dias, commercial manager da empresa para quem “parece positivos que se retome as rotinas, sem ignorar as medidas de segurança recomendadas pelas autoridades sanitárias”, remata.

Circularidade, qualidade e confiança são a trilogia conceptual que a Troficolor leva a Paris a sua 17ª participação no certame. “Continuamos a investir na nossa gama de tecidos com responsabilidade ambiental, sendo que mais de 60% dos artigos que apresentamos nesta coleção são sustentáveis, devidamente certificados/suportados pelas entidades competentes.  Destacamos para esta estação as fibras naturais como linho e tecidos com mistura de algodão orgânico e hemp, as gangas de cor 100% algodão orgânico com tingimento mineral e para os puristas do denim a nossa gama de Selvedge onde se inclui um denim 100% algodão orgânico com índigo vegetal”, revela Sofia Azevedo, export sales da empresa que salienta ainda um novo conceito inovador e exclusivo: o ECODENIM. Tratam-se de “artigos denim ready to wear, sem necessidade de processos adicionais após a peça confecionada reduzindo significativamente o consumo de recursos hídricos e energéticos”, remata.

Na expectativa de uma retoma gradual até 2024 está a La Europe/ La Estampa conta já com cinco participações na PV Paris. “Esperamos mais contactos através de vídeo conferência, retomada gradual até 2024 e por isso vamos ter como novidade uma plataforma de atendimento online, novas bases e diferentes opções comerciais”, revela Joana Silva, da empresa Satinskin, dentora das marcas referidas.

Com o foco no mercado norte-americano, mas também nos tradicionais mercados europeus de Itália e França, é com boas expectativas que a Texser regressa ao certame internacional parisiense por considerar a mesma “importante na consolidação dos contactos internacionais”, esclarece Carla Pimenta. Na PV, a empresa apresentará algumas novidades, nomeadamente ao nível dos materiais sustentáveis, como o algodão orgânico, linho orgânico, viscose eco vero e linhos naturais.

Quem tem uma experiência menor em participações na PV Paris é a Magma Têxtil que se estreou no certame em setembro de 2021 com “uma resposta muito positiva por parte dos clientes”, diz Joana Guimarães. “No nosso entender, a Première Vision é a feira internacional que atraí mais clientes e como consequência, uma das mais interessantes a participar”, reflete. Para esta edição da PV, a Magma Têxtil levará a colecção “Alerta” que, explica Joana Guimarães, tem “o foco não apenas nas fibras eco-friendly mas também na associação da qualidade dos materiais sustentáveis”.

Peso pesado nacional e uma das primeiras empresas portuguesas a participar na PV Paris, a Riopele volta a marcar presença no certame onde os resultados se têm revelado sempre muito positivos. “Este ano será uma proposta muito baseada na natureza, com propostas de tecidos matéricos e rusticidade, em contraste com uma simplicidade luxuosa, vibrante, com brilhos exagerados e fluidez cromaticamente forte, respeitando sempre o caminho sustentável da criatividade dos tecidos”, descreve Carlos Costa.

Com presença em duas áreas da feira francesa – a PV Fabrics e a PV Smart Creation- a RDD mostra-se muito esperançada em regressar a Paris em fevereiro de 2022. “Na PV Fabrics destaco os desenvolvimentos com Lyocell Bamboo, Seacell, Laranja, Ananaz e Banana, bem como, as misturas de artificiais de nova geração com o Linho ou o Cânhamo, bem como a circulose – uma fibra regenerada produzida com base em desperdícios de algodão. Na PV Smart Creation destacaremos o portfólio construído em co-criação com a PANGAIA SCIENCE”, revela Dolores Gouveia, marketing and design manager.

Considerada a feira mais importante para a Fitecom é com todo o entusiasmo que a empresa volta a repetir a experiência já consolidada na PV Paris. “Esperamos que gradualmente a situação retome a sua normalidade, onde os produtos de qualidade Europeus, no segmento da Fitecom, se tornem ainda mais apetecíveis e procurados”, deseja João Carvalho, CEO da empresa que levará à PV tecidos nobres elaborados com fibras naturais e biodegradáveis e uma gama de fibras sintéticas recicladas de uma forma racional “otimizando a sua reconversão industrial e energética com o ambiente”, remata.

A participar ininterruptamente na feira desde 2016, a A. Sampaio & Filhos leva agora a Paris a coleção SS23 que tem como mote o contributo para a moda circular, nomeadamente nas áreas de desporto e moda. “A nossa tipologia de clientes / mercados específicos de moda requerem bastante confiança entre os parceiros, pelo que a presença habitual nestas feiras ajuda a criar ligações duradouras, nas quais o contacto presencial é fundamental. Para além disso, dada a elevada tecnicidade, sustentabilidade e grau de rastreabilidade dos nossos produtos, é muito importante termos a oportunidade de reunir com os clientes para explicarmos os produtos e processos com o devido detalhe”, acrescenta Inês Sampaio, do departamento de comunicação e marketing.

A participação das empresas portuguesas PME na Première Vsion é uma iniciativa da Selectiva Moda e da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, que visa promover a internacionalização das empresas portuguesas da área da Moda. O projeto “From Portugal” é co-financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 - Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização e de Lisboa 2020 – Programa Operacional Regional de Lisboa, tendo um montante de apoio elegível de 6.648.794,78 €, dos quais 3.735.305,80 € são provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.