Associação Selectiva Moda vania@selectivamoda.com
Os cookies ajudam-nos a oferecer os nossos serviços. Ao utilizar a nossa página, concorda com a nossa política de cookies. Saiba Mais

FROM PORTUGAL PARTE À CONQUISTA DO MERCADO JAPONÊS COM PRESENÇA NA JITAC

A etiqueta From Portugal vai estar representada em mais uma edição da Jitac European Textile Fair, que decorre já nos dias 4 a 6 de outubro, no Tokyo Metropolitan Industrial Trade Center. Albano Morgado, Burel Factory, Fitecom, Lemar, Otojal e Troficolor são as empresas que compõem a comitiva nacional, às quais se juntam ainda a Adalberto, Paulo de Oliveira e Riopele. 

Representadas através de agente, as empresas nacionais mostram-se entusiasmadas com a sua participação e vêm no certame uma oportunidade para crescer no importante e exigente mercado japonês.

“Estamos presentes na Jitac há várias edições, temos uma série de clientes já fidelizados que nos visitam durante a feira, por isso, mantemos as boas expectativas de edições anteriores”, começa por dizer José António Ferreira, gestor de clientes do mercado japonês da Lemar. A aposta da empresa passará sobretudo pelos fios reciclados e produtos de decomposição acelerada – “sendo o perfil do cliente japonês inovador, vamos apresentar a gama mais inovadora dos nossos tecidos”, acrescenta. Entre a oferta estão ainda tecidos com estampados de riscas, xadrez e tecidos técnicos.

Para a Fitecom o mercado japonês significa “um mercado emergente, com potencial”, afirma João Carvalho, CEO da empresa da Covilhã, que espera com esta participação conseguir que os números de encomendas evoluam. “É uma feira que com a pandemia pouco temos feito, esperamos estar de volta em breve, nesta edição ainda estaremos representados por agente”, conta. “Há produtos que somos líderes na Europa e diria até no mundo, como por exemplo o shelton, que já vendemos milhões de metros. É um dos principais produtos que estaremos a promover na Jitac, um clássico, intemporal, de gama média alta” expõe o responsável. A menos de uma semana da feira a Fitecom conta já com algumas reuniões agendadas.

A Troficolor também se faz representar na Jitac com a sua coleção AW 23/24, uma vez que a feira se assume como canal privilegiado de contacto com o mercado japonês. As expectativas passam assim “pela ampliação do volume de negócios, quer através da captação de novos clientes, quer na solidificação e acompanhamento das relações que mantemos desde há anos”, afirma Ana Magalhães, export sales manager. “É um mercado onde a posição da Troficolor tem vindo a crescer, o que significa que temos conquistado a confiança dos clientes através da qualidade do produto e serviço prestado”, acrescenta.

A empresa trofense mantém a aposta em fibras amigas do ambiente “como o algodão BCI, algodão orgânico com certificação GOTS, algodão e polyester reciclados com certificação GRS”, e destaca ainda “processos de tingimento natural como índigo de origem vegetal e corantes de origem mineral”. Entre as novidades a apresentar estão também: o conceito Velvdenim, denim ready to wear com acabamento invernoso;  tecidos com toque aveludado e aspeto lã; uma linha de flanelas “com padrões quentes que vão do tradicional xadrez a estruturas mais arrojadas”; bombazines “com diferentes pesos e largura de cana”, e denims acolchoados.

Especializada em lãs, a Albano Morgado deixou à consideração do seu agente os produtos a apresentar na Jitac, certo é que dentro da oferta estará um conjunto de tecidos invernosos (flanela, feltro, tweed, veludo, tartan, lambwool) e sustentáveis, com certificação Oeko-Tex. ”As expectativas são boas, mas é um mercado muito específico que carece de algum tempo para consolidação pois requere um elevado grau de confiança por parte do cliente japonês”, diz Belmira Rodrigues, gestora de mercados. O mercado japonês tem uma representatividade de 5% para a empresa.

Quanto à participação da Adalberto Estampados as expectativas também se mostram grandes: “esperamos uma feira com movimento, pelo que falei com o nosso agente a nossa coleção vai impressionar. Foi feito um trial com alguns clientes e a aceitação foi muito boa aos produtos”, partilha a sales manager Juliana Bertolozzi. “Parte da coleção que estaremos a apresentar tem um design mais arrojado, desenhos figurativos, levamos também tecidos inteligentes para homem e mulher”, completa, salientando a adequação dos artigos ao público japonês, que tem vindo a crescer em representatividade para a empresa.

Para a Riopele o mercado japonês sempre foi bastante importante, por isso a empresa de Pousada de Saramagos ruma à Jitac com a sua coleção AW 23, novos desenhos e boards na expectativa de reforçar a sua presença naquela região. “A Riopele trabalha com o mercado japonês há praticamente 30 anos, cerca de quatro milhões de euros são realizados nesse mercado, representando aproximadamente 5% do nosso volume de negócios”, avança António Soares, gestor de mercado no Japão, otimista com a participação no certame, que será feita através de representação do agente. “Esperamos que o mercado volte a arrebitar neste pós pandemia, o iene (moeda japonesa) está fraco relativamente ao euro. Os custos dos fretes estão muito elevados”, acrescenta.

A participação das empresas portuguesas PME na JITAC é uma iniciativa da Selectiva Moda e da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, que visa promover a internacionalização das empresas portuguesas da área da Moda. O projeto “From Portugal” é co-financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 - Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização e de Lisboa 2020 – Programa Operacional Regional de Lisboa, tendo um montante de apoio elegível de 6.648.794,78 €, dos quais 3.735.305,80 € são provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.